Desafios para a modernização de aplicações

Para modernizar as suas aplicações, as empresas precisam migrar aplicações legadas para sistemas atuais de nuvem, com plataformas de containers e microsserviços. Afinal, tecnologias ultrapassadas geram baixa produtividade, indisponibilidade de serviços, experiências de usuários ruins, altos custos de manutenção e consequentes limitações para os ganhos. 

A capacidade de adotar novas capacidades e fluxos de trabalho é fundamental para que as empresas possam se adequar às demandas do mercado e otimizar o desempenho dos seus negócios. Porém, para modernizar suas aplicações, elas precisam enfrentar muitos desafios, como migrar para a nuvem, mover os seus dados ou as suas cargas de trabalho, gerenciar múltiplos fornecedores de nuvem e lidar com custos altos de investimento e manutenção.

Neste artigo, vamos explicar quais são os maiores desafios enfrentados pelas empresas para modernizar as suas aplicações e trazer dicas para ajudá-las a superá-los.

Por que é importante modernizar as aplicações?

As demandas por eficiência, agilidade e inovação exigem que as organizações modernizem ambientes, reduzam a complexidade e adotem soluções das plataformas de nuvem híbrida, utilizando microsserviços, containers, DevOps, Internet das Coisas, entre outras tecnologias.

Porém, as empresas ainda enfrentam muitos desafios para migrar o seu conjunto de cargas de trabalho e aplicações para a nuvem. A seguir, vamos mostrar alguns dos principais desafios que as empresas enfrentam atualmente e apontar caminhos para superá-los.

1. Migração para a nuvem

A migração para a nuvem é parte integrante das as estratégias de transformação digital e de negócios. A nuvem permite que as empresas inovem mais rapidamente, controlem custos, façam melhor uso de seus dados e ofereçam melhores experiências aos clientes.

Porém, o maior desafio enfrentado pela maioria das organizações é gerenciar a complexidade desses processos.  Afinal, a adoção da nuvem envolve questões de segurança, resiliência e riscos de interrupções e tempos de inatividade. Além disso, muitas empresas têm informações confidenciais, que elas preferem não colocar em nuvens públicas.

Por isso, a maioria das empresas ainda não consegue aproveitar todos os potenciais oferecidos pela nuvem.

Mas, com as soluções das plataformas de containers e DevOps, é possível migrar e transformar aplicações legadas para os novos sistemas de nuvem, favorecendo assim a migração e a modernização das aplicações.

2. Fazer a integração dos dados e da carga de trabalho

Devido a obstáculos como segurança, conformidade e localização, muitas empresas têm dificuldade para mover os seus dados ou as suas cargas de trabalho para a nuvem pública. Pesquisa feita pela IBM mostra que apenas cerca de 33% das cargas de trabalho foram migradas para a nuvem até o momento.

Mas, com a integração e disponibilização de serviços de negócio e APIs adequados, é possível suportar cargas de trabalho e dados empresariais e, ao mesmo tempo, impulsionar a inovação.

Por exemplo, uma empresa pode manter as informações de seus clientes mais confidenciais nas suas próprias instalações, os seus dados de marketing em um fornecedor de nuvem pública e uma aplicação nativa sensível numa nuvem privada, com segurança e integração.

3. Múltiplas nuvens e fornecedores

Transferir toda a infraestrutura e as aplicações de uma empresa para um único provedor é pouco recomendável, devido a fatores como segurança, eficiência e economia. De acordo com o estudo da McKinsey & Company, 94% das empresas pesquisadas contam com múltiplos fornecedores de nuvem para alcançar os seus objetivos de negócios.

As soluções de gerenciamento de multicloud permitem que as empresas combinem nuvens variadas para tirar proveito de características diferentes com flexibilidade e agilidade. Elas oferecem visibilidade completa e controle na combinação preferida de uma empresa de fornecedores e modelos de nuvem, sem sacrificar a segurança rigorosa.

4. Inovar as metodologias de desenvolvimento de apps

Modernizar aplicativos envolve desafios como custos, infraestrutura, qualificação de mão de obra e atualização dos sistemas operacionais. Além disso, a modernização dos processos de desenvolvimento de Apps precisa preparar aplicações para lidar com uma série de mudanças, normas, políticas e culturas.

Para superar essas dificuldades, é preciso criar soluções com execuções ágeis, direto da nuvem, e viabilizar conexões com mais extensão, qualidade e disponibilidade.

5. Lidar com custos altos de manutenção

Sistemas legados ou adquiridos no modelo on premises demandam um investimento alto e necessitam de despesas consideráveis com manutenção e atualização ao longo do tempo.

Diante dos custos elevados com a manutenção das infraestruturas privadas, as empresas devem considerar dividir boa parte de seu workload com a nuvem pública. O provedor dos serviços se responsabiliza por disponibilizar novas funcionalidades e por manter o ambiente atualizado e seguro.

Além de oferecer redução de custos, essa modalidade permite mais agilidade na entrega de demandas e facilita a implementação de novas tecnologias.

Modernize as suas aplicações legadas

O programa desenvolvido em conjunto pela Certsys e IBM contempla uma jornada completa de modernização, transformação e migração de aplicações legadas, desde a avaliação até a manutenção.

O IBM Cloud Pak for Applications modela as aplicações em processos de desenvolvimento de alta velocidade e hiperescala. Com automações aprimoradas, é possível melhorar o ciclo de vida do aplicativo e adicionar inteligência artificial para elevar as competências técnicas da solução. Nesse seguimento, obtemos mais que agilidade, conquistamos mais confiabilidade operacional e adquirimos aplicações de alta performance.

Com o IBM Cloud Pak for Applications, a segurança ganha novos padrões de detecção e prevenção contra falhas ou riscos. O objetivo aqui não é apenas corrigir ameaças ou erros, mas automatizar tarefas de monitoria e inspeção, por exemplo, e acompanhar de perto o processo de cada fase ou setor, evitando qualquer tipo de prejuízo ao negócio.

Tendências tecnológicas Gartner 2021

Tradicionalmente, o Gartner, uma das principais consultorias do mundo no segmento de tecnologia, fez as suas predições para 2021. As principais tendências de tecnologia estratégica deste ano destacam as tendências que irão gerar oportunidades e interrupções significativas nos próximos anos.

A consultoria destacou a necessidade de resiliência operacional e plasticidade organizacional para que as organizações possam se adaptar às condições de mudança dos negócios futuros. Selecionadas por seu potencial transformador, as tendências foram divididas em três temas principais: centricidade nas pessoas, independência de localização e entrega resiliente.

Conheça as principais tendências tecnológicas para 2021

1. Internet of Behaviors

A internet orientada aos novos comportamentos (IoB) surge à medida que muitas tecnologias capturam e usam a experiência digital das pessoas em sua vida diária.

A IoB combina tecnologias existentes que enfocam o indivíduo diretamente – reconhecimento facial, rastreamento de localização e big data, por exemplo. Ela conecta os dados resultantes a eventos comportamentais associados, como compras em dinheiro ou o uso de dispositivos.

A IoB pode reunir, combinar e processar dados de muitas fontes, sejam dados comerciais, de redes sociais ou informações governamentais. As organizações podem utilizar esses dados para influenciar o comportamento humano. Por exemplo, a telemática pode ser usada para monitorar o comportamento dos motoristas de veículos comerciais e melhorar a segurança e o desempenho do transporte.

O Gartner prevê que, até o final do ano de 2025, mais da metade da população mundial estará sujeita a pelo menos um programa IoB, seja ele comercial ou governamental. Porém, deverá haver extensos debates éticos sobre as diferentes abordagens empregadas para afetar o comportamento.

2. TX

No ano passado, o Gartner apresentou a multiexperiência como uma das principais tendências de tecnologia estratégica. Para este ano, a consultoria dá um passo adiante com a experiência total (TX), uma estratégia que conecta a multiexperiência com as experiências dos clientes, dos funcionários e dos usuários. O Gartner espera que as organizações que fornecem a TX superem os concorrentes nas principais métricas de satisfação nos próximos três anos.

As organizações precisam de uma estratégia de TX à medida que as interações se tornam mais móveis, virtuais e distribuídas. O objetivo é melhorar a experiência geral, de modo que as organizações possam entender melhor os elementos disruptivos surgidos com a Covid-19.

3. Privacy-Enhancing Computation

Nos últimos tempos, conforme a legislação global de proteção de dados amadurece, a exemplo da LGPD, as empresas enfrentam mais riscos de privacidade e não conformidade do que nunca.

Ao contrário dos controles de segurança de dados em repouso comuns, a Privacy-Enhancing Computation (computação que aprimora a privacidade) protege os dados enquanto são usados, aumentando assim o sigilo e a privacidade.

Esse modelo se baseia em três tecnologias de proteção de dados. A primeira fornece um ambiente confiável no qual os dados confidenciais podem ser analisados ​​e processados. A segunda executa análises e processamento de maneira descentralizada. E a terceira criptografa dados e algoritmos antes de análises ou processamento.

O Gartner acredita que até 2025 metade das grandes organizações implementará a Privacy-Enhancing Computation para processamento de dados em ambientes não confiáveis e adotará análise de dados com várias etapas. Desse modo, será possível aumentar a segurança nas atividades de processamento de dados altamente confidenciais  que exigem transferências de dados pessoais, monetização de dados, análise de fraude, entre outros casos.

4. Nuvem distribuída

Nessa nuvem, os serviços são distribuídos para diferentes locais físicos, mas a operação, a governança e a gestão permanecem sob responsabilidade do provedor de nuvem pública.

A nuvem distribuída fornece um ambiente ágil para cenários organizacionais com baixa latência, necessidades de redução de custos relacionados aos dados e requisit