DIGITAL LABOR: O Futuro da Força de Trabalho

[vc_row][vc_column][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Historicamente, as Revoluções Industriais ocorreram a partir da descoberta de novas tecnologias e das maneiras criativas com que são empregadas. Na era da informação, as inovações surgem a todo momento, o que significa que uma nova revolução está chegando.

O conceito de Indústria 4.0 tem, entre diversas inovações, um grande responsável, o “trabalho digital”. Resumidamente, esse conceito é um trabalho que é feito de maneira manual poder ser executado da mesma maneira automatizado, se beneficiando dos avanços da inteligência artificial, a redução de custos com processamento e o crescimento exponencial de dados – a chamada Big Data.

As tecnologias estão avançando a cada dia trazendo ainda mais inovações. Atualmente o RPA, ou Robot Process Automatization, é uma dos mais comentados recursos para as empresas e é o principal início para a jornada rumo ao Digital Labor, juntamente ao BPM – o Business Process Management (entenda a diferença entre os dois). O RPA faz automaticamente as funções recorrentes, operacionais e por vezes não tão importantes, embora fundamentais, permitindo que os funcionários foquem em atividades mais sofisticadas, que requerem análise e julgamento. Esse tipo de solução é o ideal para empresas grandes que tem um alto número de funcionários trabalhando em funções manuais e frequentes.

 

Os benefícios do Digital Labor

Com tecnologias como RPA e outras formas de automatização, as empresas conseguem reduzir diversos custos e erros, e aumentar a produtividade. Os bots – ou software robôs – não precisam parar para descansar e nem cometem erros por falta de atenção ou pelo próprio cansaço. O uso destas ferramentas, ainda, cria novas oportunidades para que os trabalhadores possam atuar de maneira mais decisória e intelectual, aprimorando seu valor de mercado.

O monitoramento também é mais fácil de ser feito, e pode até mesmo ser automatizado. Os dados como o resultado de uma ação, por exemplo, podem depois ser interpretados para aumentar a capacidade de um certo departamento.

Entre outros benefícios, podemos citar a escalabilidade destas ferramentas, sua consistência e previsibilidade, qualidade aprimorada, sua facilidade de auditar os processos através de software e, inclusive, maior satisfação de funcionários, como veremos no próximo tópico.

O próximo passo da robotização das tarefas se dará graças a soluções de aprendizado computacional mais poderosas, como a computação cognitiva, que permite que o software não somente entenda a interação, mas a linguagem natural usada pelos usuários, aprendendo a cada momento, sem a necessidade de programação. Conforme estas tecnologias evoluem, o cenário do Digital Labor se transforma trazendo ainda mais benefícios e criando influências positivas nas empresas, com novos recursos realmente inovadores.

 

O impacto nas equipes de trabalho

Muito se discute sobre a influência do digital sobre a classe trabalhadora e a extinção de empregos, medos que foram compartilhados em outras revoluções industriais e que sempre se mostraram infundados. A evolução é natural ao ser humano assim como a busca por mais eficiência nas empresas, e a história nos mostra como a influência da tecnologia mudou sim a forma de trabalhar, mas de maneira positiva.

A mudança nas funções dos funcionários é uma grande dúvida que é enfrentada pelos CEOs das mais diversas empresas. Entre eles, a conclusão é praticamente a mesma, o digital labor deve diminuir os trabalhos menos qualificados e será cada vez mais importante investir em funcionários com habilidades para lidar e complementar a tecnologia. O funcionário não irá mais coletar e produzir dados.

Ele irá analisá-los e interpretá-los para achar melhores soluções.

Isso significa que os funcionários podem talvez perder as funções mais mecânicas e operacionais, mas a implementação do digital labor apresenta diversas novas oportunidades.

O trabalho pode ser reimaginado. Liberando os funcionários de cargos específi