IBM Cloud: qual é o melhor modelo de nuvem para modernizar a sua infraestrutura de TI?

Empresas em todo o mundo têm se reinventado para que possam permanecer competitivas em um cenário em que a ruptura é o novo normal. Para se manter à frente da concorrência, elas precisam adotar novas tecnologias digitais e tornar a sua infraestrutura compatível com os recursos da nuvem.

Neste artigo, vamos mostrar as vantagens de migrar a infraestrutura à nuvem pública e explicar como os modelos de serviço em nuvem funcionam.

Por que mudar para as soluções na nuvem?

No método tradicional de consumo de serviços ou recursos, o proprietário da infraestrutura é responsável por gerenciar cada peça de hardware e software que usa. Normalmente, leva algum tempo para o usuário acessar um novo recurso, mas ele pode ser configurado exatamente conforme necessário.

A infraestrutura tradicional costuma estar relacionada a legados de aplicativos centrais (talvez vinculados a tecnologias mais antigas), que não podem ser facilmente migrados para a nuvem. Elasticidade, padronização e outras vantagens claras da nuvem não são motivos suficientes para migrar. Em outros casos, a segurança rígida e as regulamentações do país às vezes forçam os usuários a ter os dados localizados nas proximidades e sob controle total de gerenciamento.

A sua empresa precisa de agilidade para crescer e desenvolver novas soluções. E a nuvem pode ajudar nessa tarefa, acelerando o desenvolvimento e a implementação de serviços. Os recursos de cloud computing trouxeram toda uma nova gama de possibilidades para que as empresas possam modernizar a sua infraestrutura e acelerar o desenvolvimento de seus aplicativos. Os dados e aplicativos baseados na nuvem são acessíveis de qualquer dispositivo conectado, potencializando o uso e a colaboração de equipes a partir de diversos locais.

Além disso, migrar a infraestrutura à nuvem permite modernizar os aplicativos existentes, garantir a resiliência de dados contra falhas ou inovar e construir os seus aplicativos nativos da nuvem. Essa mudança é importante, pois os legados de sistemas  ou adquiridos no modelo on-premises demandam um investimento alto e necessitam de despesas consideráveis com manutenção e atualização ao longo do tempo.

Por exemplo, a IBM Cloud combina plataforma como serviço (PaaS) com a infraestrutura como serviço (IaaS) para fornecer uma experiência integrada. A plataforma é dimensionada e oferece suporte a pequenas equipes, organizações de desenvolvimento e grandes empresas.

Diferentes modelos de serviço de nuvem

Existem quatro categorias principais de modelos de serviço de nuvem: Plataforma como Serviço (PaaS), Software como Serviço (SaaS), Infraestrutura como Serviço (IaaS), e Banco de Dados como Serviço (DBaaS), que é uma variante da PaaS. A seguir, explicamos como funciona cada uma delas.

PaaS (Plataforma como Serviço): possibilita que as empresas usem a infraestrutura, assim como o middleware ou o software fornecido e gerenciado pelo provedor de serviços. Essa flexibilidade remove um fardo significativo de uma empresa pela perspectiva de TI e permite que ela se concentre no desenvolvimento de aplicações de negócios inovadoras.

A PaaS permite a terceirização da manutenção da infraestrutura, do middleware e do software, liberando a equipe de TI para se concentrar no desenvolvimento de aplicações. Porém, não oferece o controle completo da infraestrutura de TI.

SaaS (software como Serviço): Atualmente, os padrões SaaS são geralmente aceitos por muitas empresas que desejam se beneficiar do uso de aplicativos sem a necessidade de manter e atualizar a infraestrutura e os componentes. A flexibilidade e elasticidade desse modelo trazem grandes benefícios para as empresas. 

O SaaS terceiriza toda a TI e permite que as organizações se concentrem mais em seus principais pontos fortes, em vez de dedicar tempo e investimento à tecnologia. Nesse modelo, um provedor de serviços hospeda as aplicações e as disponibiliza para as organizações. Desse modo, o SaaS evita despesas