Automatizar Processos de maneira eficiente e sustentável

artigo-automacao-eficiente

Tendo em vista a importância de uma gestão consistente, se torna impraticável um projeto de RPA (Robotic Process Automation) sem a presença de uma governança bem planejada e exercitada. A performance da automação de processos é reflexo do modelo de gerenciamento perpetuado na empresa, por isso a presença de um CoE (Centro de Excelência) é tão importante.

A eficiência do plano de automação é resultado de uma gestão sólida

Ainda que o RPA seja fundamental para agregar escalabilidade ao negócio, seu fluxo de automações necessita de uma organização prévia e uma gestão periódica. Esse ciclo de análise dos processos e reestruturação das funcionalidades, reduz os riscos operacionais porque visualiza a operação como um todo, sem esquecer das especificidades de cada serviço.

Por intermédio do CoE podemos investir em hiperautomação e aderir outras soluções, porque a maturidade do negócio se encontra mais concreta.

O centro de excelência opera como suporte nas etapas de investimento, planejamento, execução e supervisão das demandas de RPA. Além de auxiliar na governança e ser um facilitador de mudanças necessárias, o CoE colabora com a rotina de administração das automações e avaliação das prioridades técnicas. 

Todo resultado bom parte de uma boa governança

Apesar do RPA ser uma tecnologia independente e de processos autônomos, quando não bem gerenciado e acompanhado superficialmente, seu desempenho fica vulnerável e sua eficiência também. Automações são ágeis por serem isentas de controle, mas sua programação precisa de governança para ser intencionalmente validada.

O automático é tão necessitado de gestão quanto qualquer outro modelo de solução.

Embora seja flexível e adaptável, toda automação é mais eficiente quando bem delineada e estrategicamente implantada. O papel da governança é conhecer a realidade do negócio e escolher as melhores soluções para ele. Acompanhar as escolhas e mensurar os resultados, indicará quais recursos de RPA deve ser mantido, dispensado ou reestruturado.

A governança proporciona decisões mais assertivas

A tomada de decisão não é uma fase simples ou livre de preocupações. Por se tratar de fatores cruciais, decidir com segurança é saber definir qual mudança fará bem ao negócio. Nessa ocasião, a governança determina os melhores caminhos por que ela conhece as necessidades e aptidões de cada serviço.

Automatizar processos não é uma jornada fácil, mas pode ser simplificada através de uma infraestrutura adequada, ou seja, com uma governança ativa e uma arquitetura munida das melhores tecnologias.

A sustentabilidade dos processos, ferramentas e serviços, ganha mais conformidade quando atrelamos uma gestão forte ao nosso conjunto de valores e tecnologias. A eficiência da automação consiste no quanto ela é bem organizada e gerenciada, para só assim desempenhar uma alta performance em qualquer realidade de negócio. 

Posts Relacionados

Comentários