IBM Public Cloud: Conheça as vantagens de usar as máquinas virtuais

Uma nuvem pública oferece muitos recursos de computação, desde aplicativos de software prontos para uso, até máquinas virtuais individuais (VMs) para completar infraestruturas e plataformas de desenvolvimento.

Uma máquina virtual é uma representação virtual, ou emulação, de um computador físico. Elas geralmente são chamadas de guests e a máquina física na qual são executadas é chamada de host. As virtual machines (VMs) podem ser estendidas migradas para a cloud para consolidar data centers, expandir a capacidade de lidar com restrições de recursos ou substituir a infraestrutura antiga com as últimas inovações na cloud.

Neste artigo, vamos explicar como as máquinas virtuais funcionam, quais são os seus maiores benefícios e como elas podem ser aplicadas nas empresas.

O que é máquina virtual e como essa tecnologia funciona

Apesar do termo máquina virtual parecer novo, ele existe desde o início dos anos 1960. Entretanto, só se consolidou nos anos 70 quando, em 1972, a IBM criou o hypervisor, o primeiro computador comercial capaz de executar, de forma simultânea, dois sistemas operacionais em um mesmo programa de controle.

Com os anos, essa tecnologia foi sendo deixada de lado. Mas em 2005 os fabricantes de processadores passaram a buscar melhorias no processamento de seus hardwares, tornando assim mais fácil a implementação das máquinas virtuais. Atualmente, as máquinas virtuais são amplamente utilizadas no ambiente corporativo.

A virtualização possibilita a criação de diversas máquinas virtuais, cada uma com seu próprio sistema operacional e seus próprios aplicativos, em uma única máquina física. Uma VM não pode interagir diretamente com um computador físico. Em vez disso, ela precisa de uma camada de software leve chamada hypervisor para ser coordenada com o hardware físico subjacente. O hypervisor aloca recursos de computação física, como processadores, memória e armazenamento, para cada VM. Ele mantém cada VM separada das outras para evitar interferências.

Quando um hypervisor é usado em um computador ou servidor físico (também conhecido como servidor bare metal), ele permite que o computador físico separe o sistema operacional e os aplicativos do hardware. Em seguida, ele pode ser dividido em diversas “máquinas virtuais“ independentes.

Cada uma dessas novas máquinas virtuais pode executar o próprio sistema operacional e os próprios aplicativos de forma independente, ainda compartilhando os recursos originais do servidor bare metal gerenciado pelo hypervisor. Esses recursos incluem a memória, a RAM, o armazenamento e assim por diante. Na prática, isso significa que você pode ter diversos ambientes virtuais com configurações e sistemas operacionais diferentes rodando em um único computador sem precisar ter, necessariamente, diversos computadores. 

O hypervisor atua de forma semelhante a um policial de trânsito, direcionando e alocando os recursos do bare metal para cada uma das diversas novas máquinas virtuais a fim de evitar interrupções.

Em cloud computing, as máquinas virtuais geralmente são fornecidas em variações de hospedagem única e hospedagem múltipla. Máquinas virtuais públicas ou de hospedagem múltipla são aquelas nas quais diversos usuários estão compartilhando uma infraestrutura física comum. Essa é a abordagem mais econômica e escalável para provisionar máquinas virtuais. Porém, ela carece de algumas das características de isolamento preferenciais de empresas com mandatos rígidos de segurança ou conformidade.

Benefícios das Virtual Machines

Máquinas virtuais são muito úteis no dia a dia, pois permitem ao usuário rodar outros sistemas operacionais dentro de uma única máquina física, tendo acesso a outros software existentes que podem ser instalados dentro da própria máquina virtual.

As VMs oferecem diversos benefícios quando comparadas ao hardware físico tradicional:

Utilização de recursos e ROI melhorado: Como diversas VMs são executadas em um único computador físico, as empresas não precisam comprar um novo servidor sempre que desejarem executar outro sistema operacional. Além disso, elas podem obter mais retorno de cada peça de hardware já adquirida.

Escalabilidade: Com o cloud computing, fica fácil implementar diversas cópias da mesma máquina virtual para atender melhor aos aumentos de carga.

Portabilidade: As VMs podem ser realocadas entre os computadores físicos em uma rede de acordo com a necessidade. Isso possibilita a alocação de cargas de trabalho em servidores com capacidade de computação sobressalente. As VMs podem ser movidas até mesmo entre ambientes locais e em cloud. Isso as torna úteis para cenários de cloud híbrida, nos quais os recursos de computação são compartilhados entre o data center das empresas e um provedor de serviços em cloud.

Flexibilidade: Criar uma VM é mais rápido e fácil do que instalar um sistema operacional em um servidor físico, pois é possível clonar uma VM com o sistema operacional já instalado. Desenvolvedores e testadores de software podem criar novos ambientes sob demanda para lidar com novas tarefas à medida que elas surgem.

Segurança: As VMs melhoram a segurança de diversas maneiras quando comparadas a sistemas operacionais em execução diretamente no hardware. Uma VM é um arquivo que pode ser varrido por um programa externo em busca de softwares maliciosos. Ela permite criar uma captura instantânea inteira da VM a qualquer momento e, em seguida, restaurá-la para esse estado caso seja infectada por um malware, recuperando-a de forma rápida e eficaz. A criação rápida e fácil de VMs também permite excluir completamente uma VM comprometida e, em seguida, recriá-la rapidamente, acelerando a recuperação de infecções por malware.

Como utilizar as máquinas virtuais

As VMs podem ser usadas de diversas formas por administradores de TI corporativos e usuários. Veja a seguir algumas opções:

Cloud computing: nos últimos 10 anos, as VMs têm sido a unidade fundamental para cloud computing. Elas permitem que dezenas de diferentes tipos de aplicativos e cargas de trabalho sejam executados e dimensionados com sucesso.

Suporte para DevOps: As VMs são uma ótima maneira de oferecer suporte a desenvolvedores corporativos, que podem definir modelos de VM com as configurações para seus processos de desenvolvimento e teste de software. Os desenvolvedores podem criar VMs para tarefas específicas, como testes de software estático, incluindo essas etapas em um fluxo de trabalho de desenvolvimento automatizado. Isso tudo ajuda a simplificar a cadeia de produção do DevOps.

Testar um novo sistema operacional: Uma VM permite a realização do test drive de um novo sistema operacional na área de trabalho sem impacto no sistema operacional primário.

Investigar malwares: As VMs são úteis para pesquisadores de malware, que frequentemente precisam de máquinas novas para testar programas maliciosos.

Executar softwares incompatíveis: Alguns usuários podem preferir um sistema operacional, mas precisar usar um programa disponível somente em outro. Um bom exemplo é o software Dragon, que tem ampla variedade de ditados de voz. O seu fornecedor, Nuance, descontinuou a versão macOS do produto. No entanto, a execução de um hypervisor focado em área de trabalho, como o VMware Fusion ou o Parallels, permite a execução do Windows em uma VM para acesso a essa versão do software.

Navegar de forma segura: Usar uma máquina virtual para a navegação possibilita visitar sites sem se preocupar com infecções. Ela permite tirar uma captura instantânea de sua máquina e, em seguida, recuperá-la após cada sessão de navegação. Um usuário pode realizar essa configuração por conta própria ao usar um hypervisor de área de trabalho do tipo 2. Como alternativa, um administrador pode fornecer uma área de trabalho virtual temporária localizada no servidor.

A IBM Cloud oferece a oportunidade de configurar e executar suas próprias VMs com base em diferentes opções técnicas e de precificação. É possível selecionar perfis técnicos para VMs com base nos recursos necessários de capacidade de computação, memória, armazenamento local e GPU, adaptando o sistema à sua carga de trabalho específica.

O IBM Cloud também possibilita a combinação e a correspondência de recursos de servidor virtual e bare metal para a adequação aos seus requisitos de carga de trabalho.

A Certsys investe fortemente em conjunto com as soluções de inteligência da IBM para Cloud Computing. Saiba mais sobre como a Certsys e a IBM podem ajudar as empresas a obter vantagens competitivas com o desenvolvimento em nuvem, fornecendo toda a tecnologia necessária, com o melhor desempenho e flexibilidade.

Saiba mais sobre como a Certsys e a IBM podem auxiliar as empresas a obter vantagens competitivas com o desenvolvimento em nuvem, fornecendo toda a tecnologia necessária, com o melhor desempenho e flexibilidade. 

Acesse aqui.

IBM Cloud: novas possibilidades para os negócios digitais

A adoção de serviços de nuvem pública é uma das mudanças mais importantes na história da computação corporativa, pois permite que as empresas desenvolvam novos modelos de negócios orientados digitalmente.

O mercado global de computação em nuvem pública cresceu muito rapidamente nos últimos anos, e a tendência é que essa expansão continue. O Gartner prevê que as receitas mundiais da nuvem pública excederão US $ 330 bilhões até o final de 2022.

Nesse cenário, ter diversas implantações de nuvem se tornou cada vez mais uma estratégia usada pelas empresas para otimizar o desempenho da sua infraestrutura. Porém, muitas organizações ainda têm dificuldades para aproveitar todos os recursos de seus ambientes de nuvem.

Neste artigo, vamos explicar quais são os diferentes tipos de cloud: pública, privada, híbrida e distribuída.

Mas, afinal, o que é Cloud?

Cloud é o nome dado a uma rede de servidores conectados entre eles para possibilitar a entrega de produtos, serviços e soluções empresariais para diferentes regiões a partir da internet. 

A Cloud Computing (computação em nuvem) é uma das principais escolhas de empresas por oferecer rapidez e flexibilidade ao adquirir recursos, custo-benefício e segurança. Os servidores na nuvem podem ser usados para armazenamento, hosting, processamento, backup, desenvolvimento e mais.

Muitas empresas estão movendo partes de sua infraestrutura de computação para a nuvem pública porque os serviços de nuvem pública são elásticos e prontamente escalonáveis. Por isso, eles são capazes de se ajustar com flexibilidade para atender às demandas de carga de trabalho em constante mudança. Outra vantagem desse modelo é que ele oferece maior eficiência e menos recursos desperdiçados, uma vez que os clientes pagam apenas pelo que usam. Além disso, ele permite reduzir os gastos com hardware e infraestruturas locais. 

Conheça os diferentes tipos de Cloud

As empresas precisam encontrar as nuvens mais adequadas para as suas necessidades. A seguir, apresentamos os diferentes modelos de nuvem disponíveis atualmente, para que você possa escolher o servidor ideal para a sua empresa.

Cloud Pública

Uma nuvem pública é um tipo de computação em nuvem no qual um provedor de serviços terceirizado cria recursos de computação para completar infraestruturas e plataformas de desenvolvimento – d